Imprimir

Economia mineira cresceu 0,3% no primeiro trimestre de 2018

Data de publicação .

1° Trimestre de 2018 – O resultado do PIB de Minas Gerais no primeiro trimestre de 2018 indicou desaceleração no processo de recuperação da atividade econômica estadual, uma vez que o ritmo de crescimento foi inferior ao observado no último trimestre do ano passado. Em termos reais, o PIB mineiro expandiu 0,3% nos três primeiros meses do ano vigente, em relação ao trimestre imediatamente anterior (Tabela 1). Esta taxa havia sido de 0,8% no quarto trimestre de 2017. Os dados são parte do produto Indicadores FJP – PIB Trimestral de Minas Gerais – 1° Trimestre/2018, publicado pela Fundação João Pinheiro (FJP) nesta quinta-feira, 21 de junho, no site da instituição.

Tabela 1 - Produto Interno Bruto e Atividades Econômicas - Minas Gerais e Brasil - 1º trim. 2018 (%)

AGREGADOS MACROECONÔMICOS

Trimestre / trimestre imediatamente anterior (com ajuste sazonal)

Trimestre / igual trimestre do ano anterior

Anualizada

 

                                                    Minas Gerais

 

 

PIB

0,3

1,4

0,9

VA

0,3

1,1

0,7

Agropecuária

0,6

-4,8

-4,4

Indústria

-2,3

-3,0

-2,2

  Ind. Extrativa Mineral

-4,0

-16,1

-4,6

  Ind. de Transformação

0,2

4,2

2,4

  Construção Civil

0,3

-1,5

-4,5

  Energia e Saneamento

-3,6

-16,4

-12,9

Serviços

0,1

2,3

2,0

  Comércio

-0,4

4,4

4,0

  Transportes

-1,7

-3,3

-0,4

  Administração Pública

-0,2

0,0

-0,3

  Outros Serviços (1)

0,0

2,7

1,9

 

                                                  Brasil

 

 

PIB

0,4

1,2

1,3

VA

0,2

0,9

1,1

Agropecuária

1,4

-2,6

6,1

Indústria

0,1

1,6

0,6

  Ind. Extrativa Mineral

0,6

-1,9

1,6

  Ind. de Transformação

-0,4

4,0

2,8

  Construção Civil

-0,6

-2,2

-3,9

  Energia e Saneamento

2,1

0,6

0,1

Serviços

0,1

1,5

1,0

  Comércio

0,2

4,5

3,4

  Transportes

0,7

2,8

2,1

  Administração Pública

0,1

0,6

-0,3

  Outros Serviços (1)

0,1

0,8

0,7

Fonte: Fundação João Pinheiro (FJP) – Diretoria de Estatísticas e Informações (DIREI). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – Contas Nacionais Trimestrais. Nota: A taxa anualizada compara os doze meses completados em março de 2018 em relação aos doze meses anteriores.

Nota: (1) Outros serviços incluem: serviços de alojamento e alimentação; serviços de informação e comunicação; intermediação financeira, seguros e previdência complementar; atividades profissionais, científicas, técnicas e administrativas; educação e saúde privada; serviços domésticos; artes, cultura, esporte, recreação e outras atividades de serviços; e atividades imobiliárias e aluguéis (inserida ao agrupamento de outros serviços após a incorporação da retropolação e conclusão dos aperfeiçoamentos metodológicos na referência 2010).

 

De acordo com dados divulgados pelo IBGE, o PIB brasileiro, para o mesmo período e na mesma base de comparação, apresentou resultado semelhante: crescimento de 0,4% no primeiro trimestre de 2018.

A exemplo do que ocorreu no Brasil como um todo, em Minas Gerais o resultado do setor agropecuário foi importante para explicar a expansão do produto agregado (aumento de 0,6% na série ajustada sazonalmente). No entanto, o efeito direto das variações nas previsões de safra sobre o resultado do PIB mineiro no primeiro trimestre de 2018 fica mais evidente quando a base de comparação escolhida deixa de ser o último trimestre do ano passado (cuja composição de produtos colhidos foi muito distinta) e passa a ser o primeiro trimestre de 2017 (composição de produtos colhidos similar). Neste caso, de acordo com projeções elaboradas pelo IBGE, com base no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), dentre as culturas com peso na estrutura produtiva mineira e colhidas no primeiro trimestre de 2018, destacam-se o feijão (1ª safra) e o tomate, com previsão de crescimento de 12,1% e 10,2%, respectivamente. Em contrapartida, nos casos da soja, da batata inglesa (1ª safra) e da banana, igualmente colhidas no primeiro trimestre de 2018, a projeção, também elaborada com base nos dados do LSPA, é de redução de, respectivamente, 3,0%, 3,3% e 3,9% no ano (Tabela 2).

 

Tabela 2: Previsão de safra anual e variação de safra prevista (2018/2017) para os principais produtos colhidos em Minas Gerais no primeiro trimestre de 2018

Produto

Previsão de Safra (em toneladas)

2017

2018

Variação (%)

Feijão (1ª safra)

   192.939

   216.212

12,1

Tomate

   676.420

   745.600

10,2

Soja

5.047.709

4.896.937

 -3,0

Batata inglesa (1ª safra)

   572.144

   553.471

 -3,3

Banana

   847.108

   813.927

 -3,9

Fonte: Levantamento Sistemático de Produção Agrícola (LSPA). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Previsão de Safra em Abril de 2018. Acesso em: 30/05/2018.

 

Tabela 3 - Taxas de variação do Volume de Vendas do primeiro trimestre (em relação ao mesmo trimestre do ano anterior) e anualizada por segmento do comércio – Minas Gerais e Brasil – 2018

Fonte: Pesquisa Mensal do Comércio (PMC). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Acesso em: 30/05/2018. Nota: (1) A taxa anualizada compara os doze meses completados em março de 2018 em relação aos doze meses anteriores.

 

O desempenho menos expressivo da atividade econômica mineira no primeiro trimestre de 2018 foi do setor industrial, com retração de 2,3% em relação ao trimestre anterior, e de 3,0%, quando comparado com o primeiro trimestre de 2017 (Tabela 1). Dois fatores foram determinantes para a retração do setor industrial: o fraco desempenho da indústria de extração mineral (retração de 4,0% em comparação com o trimestre anterior e de 16,1% em relação ao 1º trimestre de 2017) e o resultado negativo do segmento de energia e saneamento (redução de 3,6% em relação ao trimestre anterior e de 16,4% na comparação com o 1º trimestre de 2017).

No caso da indústria extrativa mineral, além das chuvas no período, existem razões estruturais relacionadas à estratégia da Vale em privilegiar as margens e reduzir a oferta de minério de ferro de menor qualidade, potencializando a produção no Sistema Norte (Pará) e reduzindo no Sistema Sul-Sudeste (Minas Gerais).[1] Além disso, houve interrupção da extração do Sistema Minas-Rio ocasionado pelo vazamento do mineroduto da Anglo American no período.[2] Em relação ao segmento de energia e saneamento o aumento de chuvas ocorrido vem paulatinamente proporcionando um incremento no volume útil dos níveis dos principais reservatórios desde janeiro de 2018, porém o resultado negativo no trimestre ainda é resultante da baixa geração hidroelétrica estadual. Com isto, os níveis de água nas represas estavam abaixo do necessário para acionamento das comportas no final do ano passado.



[1] Relatório da Vale: Resultados trimestrais – Produção e Vendas da Vale no 1T18. Disponível em: <http://www.vale.com/PT/investors/information-market/quarterly-results/ResultadosTrimestrais/PREPORT1T18_p%20.pdf>. Acesso em: 08/06/2018.

[2] Sistema FIEMG: Monitor Econômico de Maio de 2018. Disponível em: <http://www7.fiemg.com.br/produto/monitor-economico>. Acesso em: 08/06/2018.

 

A construção civil estadual teve expansão (0,3%) na comparação do primeiro trimestre de 2018 com o quarto trimestre de 2017, mas em relação ao 1º trimestre do ano passado ainda foi observada retração de 1,5%.

Já a indústria de transformação mineira apresentou, pelo quinto trimestre consecutivo, incremento no volume agregado. A expansão foi de apenas 0,2%, se comparada com as taxas observadas nos trimestres anteriores, mas eleva-se para 4,2% em relação ao resultado do primeiro trimestre de 2018. Os dados apresentados na Tabela 4 mostram que os seguintes segmentos foram os destaques em termos de contribuição positiva nesta última base de análise: fabricação de máquinas e equipamentos (18,9%), metalurgia (9,4%) e produção de veículos automotores (8,7%).

 

Tabela 4 - Taxas de variação da Produção Industrial do primeiro trimestre (em relação ao mesmo trimestre do ano anterior) e anualizada por subsetor da indústria de transformação – Minas Gerais e Brasil – 2018

Fonte: Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Acesso em: 30/05/2018. Nota: (1) A taxa anualizada compara os doze meses completados em março de 2018 em relação aos doze meses anteriores.

 

Anualizada – O resultado do PIB mineiro acumulado nos últimos 12 meses mostra que a tendência de recuperação econômica que vem se delineando no Estado desde 2016 não foi interrompida, a despeito de ter havido desaceleração no ritmo de crescimento. Os dados apresentados no Gráfico 1 mostram as taxas anualizadas dos 12 meses completados até o trimestre de referência em comparação com igual período imediatamente anterior. Desde 2016, é a segunda vez, consecutiva, que a variação do PIB é positiva. Esse resultado é reflexo, principalmente, do desempenho do setor serviços, que responde por mais de 2/3 do PIB em Minas Gerais, com destaque para o subsetor de comércio. Adicionalmente, também o subsetor de indústria de transformação apresentou crescimento do PIB anualizado, embora quando tomado em seu conjunto o setor industrial ainda apresente retração.

 

Gráfico 1: Taxas de Variação Anualizada (acumulada em doze meses em relação a igual período imediatamente anterior) do Produto Interno Bruto – Minas Gerais, 4º trimestre 2015 – 1º trimestre 2018

 

Valores Correntes - Com a conclusão dos aperfeiçoamentos metodológicos no cálculo do PIB trimestral de Minas Gerais, colocando-o plenamente integrado ao Sistema de Contas Regionais na referência 2010, tornou-se possível a divulgação dos valores correntes setoriais do valor adicionado (agropecuária, indústria e serviços) e do PIB mineiro a partir do novo ano de referência (2010). O PIB mineiro no primeiro trimestre de 2018 totalizou R$ 139,4 bilhões. O valor adicionado da agropecuária registrou R$ 6,1 bilhões, da indústria R$ 28,4 bilhões e dos serviços R$ 87,3 bilhões; totalizando R$ 121,8 bilhões de valor adicionado em termos nominais (Tabela 5).

Tabela 5 - PIB e Valor Adicionado: Valores correntes (R$ 1.000.000) – Minas Gerais – 1º trim. 2010-1º trim. 2018

Período (1)

AGROPECUÁRIA

INDÚSTRIA

SERVIÇOS

VA

PIB

2010.I

3.199

21.442

43.069

67.711

78.220

2010.II

6.367

24.721

45.123

76.211

87.413

2010.III

5.047

27.617

46.898

79.561

91.226

2010.IV

2.473

27.491

51.727

81.691

94.264

2011.I

5.437

25.971

48.728

80.136

92.035

2011.II

10.169

27.946

50.811

88.926

101.250

2011.III

6.321

31.126

52.632

90.078

102.553

2011.IV

1.869

30.907

57.716

90.492

104.287

2012.I

5.077

26.584

56.686

88.346

101.230

2012.II

10.596

29.039

58.383

98.018

111.562

2012.III

8.332

32.226

60.595

101.154

114.949

2012.IV

1.553

32.281

65.744

99.578

114.542

2013.I

4.961

29.196

63.939

98.096

111.926

2013.II

9.839

31.366

66.161

107.367

121.885

2013.III

7.075

35.714

68.751

111.540

126.023

2013.IV

2.189

34.894

74.725

111.808

128.172

2014.I

5.983

31.998

71.188

109.169

124.443

2014.II

9.943

31.214

72.341

113.499

128.615

2014.III

6.542

34.675

74.441

115.658

130.717

2014.IV

3.117

33.011

79.699

115.828

132.859

2015.I

5.714

27.950

74.952

108.617

123.697

2015.II

9.655

28.587

75.824

114.066

129.094

2015.III

6.642

31.941

78.152

116.735

131.861

2015.IV

2.422

30.822

84.776

118.020

134.674

2016.I

6.430

25.751

78.793

110.973

126.836

2016.II

14.086

28.253

80.622

122.961

139.148

2016.III

11.856

31.541

82.897

126.294

142.516

2016.IV

3.158

31.552

89.403

124.114

141.826

2017.I

7.780

29.046

83.833

120.658

137.153

2017.II

13.235

29.227

85.052

127.514

144.314

2017.III

6.927

32.716

87.232

126.874

143.883

2017.IV

1.498

32.317

95.263

129.078

148.335

2018.I

6.140

28.371

87.314

121.825

139.417

Fonte: Fundação João Pinheiro (FJP) – Diretoria de Estatísticas e Informações (DIREI).

Nota: (1) Os resultados trimestrais de 2016, 2017 e o primeiro trimestre de 2018 permanecem como preliminares até a divulgação das pesquisas estruturais do IBGE e sua incorporação pelo Sistema de Contas Regionais (SCR-MG).

 

Considerações - A Fundação João Pinheiro (FJP), através da Diretoria de Estatística e Informações (DIREI), apresenta neste relatório os resultados comentados do Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais. O PIB trimestral de Minas Gerais é calculado pela FJP com metodologia própria e os resultados são preliminares e, naturalmente, sujeitos a revisão. Os cálculos são sempre revistos com dois ajustes principais: 1) atualização da estrutura de ponderação das atividades econômicas no valor adicionado da economia do Estado; e 2) substituição de projeções ou valores preliminares nas séries de dados primários utilizados no cômputo do PIB trimestral por valores consolidados. Os procedimentos de revisão são semelhantes aos adotados pelo IBGE no que diz respeito às Contas Nacionais Trimestrais, e os resultados definitivos são divulgados usualmente com defasagem de dois anos. Em novembro de 2016, a Fundação João Pinheiro, em parceria com o IBGE, divulgou a retropolação na nova metodologia (referência 2010) em razão de alterações nas Contas Nacionais com impactos nas Contas Regionais (em virtude das novas recomendações internacionais). Como parte da inclusão dos dados retropolados e da reestruturação metodológica, o segmento das Atividades Imobiliárias e de Aluguéis passaram a compor o agrupamento de Outros Serviços do Sistema de Contas Trimestrais de Minas Gerais. A partir também dessa divulgação o ajuste sazonal passa a ser realizado com o software X-13-ARIMA-SEATS (uma atualização mais recente do software anteriormente utilizado, o X-12-ARIMA-WIN X12). Essa atualização foi feita por que as Contas Nacionais Trimestrais também incorporaram o X-13-ARIMA-SEATS no processo de ajustamento sazonal. A principal alteração foi no número de pontos estimados pelo modelo para frente: passa a se estimar seis pontos para frente e nenhum para trás conforme o seguinte comando: forecast {maxlead=6; maxback=0}. Os resultados de 2016, 2017 e do primeiro trimestre de 2018 permanecem como preliminares. Com a conclusão dos aperfeiçoamentos metodológicos no PIB Trimestral, a Fundação João Pinheiro passou a divulgar também os resultados nominais trimestrais tendo o ano de 2010 como ponto de partida (o ano de referência do novo Sistema de Contas Regionais).

 

Assessoria de Comunicação | Fundação João Pinheiro

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. | www.fjp.mg.gov.br/

 

Informações para a imprensa: (31) 3448-9561 / 3448-9580

Siga a FJP no Twitter: https://twitter.com/_fjp_

Acompanhe a FJP no Facebook: http://www.facebook.com/fjpoficial