Imprimir

Al√©m das M√©dias: √ćndice de Desenvolvimento Humano Municipal por cor, sexo e situa√ß√£o de domic√≠lio em Minas Gerais

Data de publicação .

Lançada pela Fundação João Pinheiro, Ipea e Pnud, publicação aponta a evolução do IDHM para brancos e negros, homens e mulheres e  para as áreas urbana e rural entre 2000 e 2010

O relat√≥rio Desenvolvimento Humano para Al√©m das M√©dias: √ćndice de Desenvolvimento Humano Municipal por cor, sexo e situa√ß√£o de domic√≠lio*, lan√ßado nesta quarta-feira, 10 de maio, pela Funda√ß√£o Jo√£o Pinheiro (FJP), o Instituto de Pesquisa Econ√īmica Aplicada (Ipea) e o Programa das Na√ß√Ķes Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) apresenta o √ćndice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), seus 3 sub√≠ndices (Longevidade, Educa√ß√£o e Renda) e diversos outros indicadores sociais por cor (brancos e negros), sexo (homens e mulheres) e situa√ß√£o de domic√≠lio (urbano ou rural), para o Brasil, as 27 Unidades da Federa√ß√£o, 20 Regi√Ķes Metropolitanas e 111 munic√≠pios com popula√ß√£o maior que o munic√≠pio menos populoso entre as capitais em 2010. O objetivo √© subsidiar a elabora√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas que visem √† promo√ß√£o da igualdade racial, de g√™nero e das condi√ß√Ķes sociais das popula√ß√Ķes residentes nas √°reas urbanas e rurais, ao permitir observar as disparidades sociais existentes entre eles.

As informa√ß√Ķes b√°sicas s√£o dos Censos Demogr√°ficos de 2000 e 2010, do IBGE.

MINAS GERAIS

Cor -Entre 2000 e 2010 a população branca do Estado de Minas Gerais passou da faixa de Médio Desenvolvimento Humano (0,675) para a de Alto Desenvolvimento Humano (0,775). Na mesma comparação, o IDHM da população negra manteve-se na faixa de Médio Desenvolvimento Humano, passando de 0,558 para 0,693.

Na desagrega√ß√£o por cor, o IDHM Renda da popula√ß√£o branca passou de 0,725 em 2000 para 0,777 em 2010, enquanto o da popula√ß√£o negra passou de 0,600 para 0,675. ‚ÄúJ√° o IDHM Longevidade teve menor crescimento: o dos brancos cresceu de 0,787 para 0,853 e o dos negros, de 0,737 para 0,831‚ÄĚ comenta a pesquisadora Denise Maia, respons√°vel pelas estimativas demogr√°ficas. O sub√≠ndice IDHM Educa√ß√£o apresentou as maiores varia√ß√Ķes entre 2000 e 2010, passando de 0,538 para 0,702, no caso dos brancos, e de 0,392 para 0,594, no dos negros. ¬†

Esses dados mostram avan√ßos nas 3 dimens√Ķes para ambos os grupos - brancos e negros . Mas, como observa Fernando Martins Prates, pesquisador da FJP, ‚Äúmesmo que a desigualdade entre eles tenha ca√≠do, dado que os avan√ßos foram maiores para os negros, em 2010 ainda era significativa: em rela√ß√£o aos negros, o IDHM dos brancos era 11,8% maior, o IDHM Renda, 15,1% maior, o IDHM Educa√ß√£o, 18,2% maior e o IDHM Longevidade, 2,6% maior, o que representa 1,3 ano a mais de expectativa de vida ao nascer para os brancos‚ÄĚ.

Tabela com a Evolução do IDHM, IDHM Educação, IDHM Longevidade e IDHM Renda por Cor Minas Gerais, RMBH e Brasil - 2000 e 2010

 

Sexo -Em Minas Gerais, entre 2000 e 2010, o IDHM dos homens passou da faixa de Baixo Desenvolvimento Humano (0,593) para a de Alto Desenvolvimento Humano (0,701). Na mesma comparação, o IDHM das mulheres evoluiu de 0,650 para 0,759.

Na desagregação por sexo, o IDHM Renda dos homens passou de 0,681 em 2000 para 0,733 em 2010, enquanto o das mulheres passou de 0,678 para 0,726. Já o IDHM Longevidade dos homens cresceu de 0,696 para 0,771 e o das mulheres, de 0,809 para 0,892. O subíndice IDHM Educação dos homens passou de 0,439 em 2000 para 0,609 em 2010 e o das mulheres, de 0,501 para 0,675.  

Os avan√ßos para os homens em Educa√ß√£o e Longevidade foram ligeiramente maiores que para as mulheres. No entanto, em 2010 os homens apresentaram situa√ß√£o significativamente pior: o IDHM Educa√ß√£o dos homens era 9,8% menor e o IDHM Longevidade dos homens, 13,6% menor. ‚ÄúNo caso da renda, n√£o h√° grande diferen√ßa entre homens e mulheres, pois na metodologia de c√°lculo do IDHM Renda, h√° o pressuposto de que, dentro dos domic√≠lios, n√£o h√° desigualdade de renda. Por isso, quando se calcula esse √≠ndice por sexo, os valores s√£o praticamente iguais‚ÄĚ, explica o pesquisador Fernando Martins Prates.

Entretanto, os dados de rendimento do trabalho por sexo mostravam uma significativa desigualdade. Para destacar esse fato, decidiu-se calcular um IDHM Renda por sexo alternativo, ajustado pela desigualdade de rendimento do trabalho entre homens e mulheres. Com isso, o índice passou, no caso dos homens, de 0,761 em 2000 para 0,818 em 2010, e, para as mulheres, de 0,543 para 0,611, ou seja, em 2000, o índice dos homens era 40,1% superior ao das mulheres, percentual que caiu para 33,9% em 2010. Com o cálculo do IDHM com esse índice alternativo de renda, foi possível obter o IDHM por sexo ajustado, que atingiu, em 2010, valores bem próximos para homens (0,727) e mulheres (0,717).

Tabela com a Evolução do IDHM, IDHM Educação, IDHM Longevidade e IDHM Renda por sexo  em Minas Gerais, RMBH e Brasil - 2000 e 2010

 Situação de Domicílio

Em 2010 o IDHM de Minas Gerais para a √°rea urbana era 0,750 (Alto Desenvolvimento Humano) e, para a √°rea rural, 0,608 (M√©dio Desenvolvimento Humano). O IDHM Educa√ß√£o atingia 0,673 nas √°reas urbanas e 0,445 nas rurais. Na dimens√£o de Renda, os √≠ndices eram, respectivamente, 0,743 e 0,615 e, na dimens√£o Longevidade, 0,842 e 0,821. Esses √≠ndices, √† exce√ß√£o do de Longevidade, mostram grande desigualdade entre as popula√ß√Ķes que vivem nessas √°reas: nas urbanas, o IDHM √© 23,4% superior, o IDHM Educa√ß√£o √© 51,2% superior e o IDHM Renda, 20,8% superior.

 

Tabela com IDHM, IDHM Educação, IDHM Longevidade e IDHM Renda por Situação de Domicílio Minas Gerais, RMBH e Brasil - 2010

¬†O¬†relat√≥rio Desenvolvimento Humano para Al√©m das M√©dias: √ćndice de Desenvolvimento Humano Municipal por cor, sexo e situa√ß√£o de domic√≠lio est√°¬†dispon√≠vel em¬†http://www.br.undp.org/content/dam/brazil/docs/IDH/desenvolvimento-alem-das-medias.pdf.¬†

 

Assessoria de Comunicação | Fundação João Pinheiro

Informa√ß√Ķes para a imprensa: (31) 3448-9561

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. |  www.fjp.mg.gov.br

 

Siga a FJP no Twitter: https://twitter.com/_fjp_

Acompanhe a FJP no Facebook: http://www.facebook.com/fjpoficial

 



* O conjunto dos dados desagregados pode ser acessado na plataforma www.atlasbrasil.org.br.